quarta-feira, 17 de junho de 2009

Pessoas miúdas


No mundo das pessoas miúdas elas vivem sem muito assunto, planejando formas de se sobressair, de aparecer.

Dotadas de pouca criatividade, inteligencia e quase nenhum talento natural fazem da vida alheia sua morada, apagar o brilho do outro é seu principal desafio e o empecilho para seus planos é a felicidade
dos demais.


Para elas o mundo seria sem graça se não fosse por aqueles outros que vivem por si só e tentam se realizar a seu modo em seus mundos simples.


Há algum tempo, reparo na atenção demasiada que elas tem me
dispensado.

Elas, as minhas grandes espectadoras, aguardam os próximos capítulos, riem dos meus tropeços e jogam todo o seu pessimismo na minha felicidade.

Desde o principio mantive o silêncio e brinquei de ser indiferente a cada nova pedra que elas direcionavam para a minha vidraça. Na madrugada, eu sorrateira, limpava o estrago e no dia seguinte lá estava plena e absoluta como se nada tivesse me atingido.


Eu acreditava que elas desistiriam, ou que finalmente quando achassem que haviam conseguido o que queriam, me deixariam em paz, mas não. Me equivoquei quando pensei que pessoas como elas, saberiam sair das batalhas vitoriosas como eu.


Será que com todo esse barulho agora elas anunciam que ainda não acabou?


-Minha vida é a grandiosidade dos pequenos momentos, o cultivo de segundos, colhendo os frutos dos meus reais interesses, sem tempo para o alheio que não mora no meu coração.


Mas hoje resolvi desperdiçar meu tempo e energia, simplesmente porque cansei de silenciar e não compreender.


Eu não entendo a felicidade de pessoas como elas, que de tão felizes em finalmente conseguirem o que querem, ainda tem tempo de sobra para viverem presentes na vida do outro. Nos meus momentos de alegria elas nunca existiram. E sinceramente, esses dias, voltei a tranquilidade quando descobri porque sou tão presente nas conversas, medos e devaneios delas.

Agradeço a elas que me fizeram lembrar que todo fim é um recomeço, que tudo muda e se transforma a todo momento, que eu tenho força para conseguir tudo o que quero e que a minha grandiosidade incomoda e precisa servir de norte a gente tão miúda.


O que me diferencia delas? Caráter, fé e muita sorte. Obrigada Deus, por mais um sonho realizado.

3 comentários:

Denise disse...

Faço das suas palavras as minhas. Eu ainda não sei como existem pessoas tão pequenas que se importa com a felicidade alheia? Eu sou a prova viva disso, e com certeza eu não fico me gabando com isso. Eu tbm tive o prazer que conhecer o Bola, a pessoa mais símpatica e irrevente do mundo, mas eu não fico jogando aos quatro ventos.
Eu sei que ainda sinto que tem pessoas que sentem inveja, mas sabia que eu não me importo com esse tipo de pessoa? Não mesmo, mas eu confesso que essa pessoa que sempre sente inveja de mim, ela acaba perdendo tempo da sua vida pra cuidar da minha...
Mas como eu aprendi um dia na minha vida.

"Que as ações confirmem as palavras".

Quem estava ali sabe o que aconteceu, e quem não estava? vive se suposições :)

Edivaldo Rossetto disse...

ainda estou digerindo suas palavras...
mas como sempre te digo.. não liga muito pro que falam não. rs

bjos garota

Angela Grossi disse...

Fico pensando que a vida é feita de gente miúda, ou melhor, pessoa miúda como você diz. Sempre vai haver mais gente jogando contra que a favor. Mas quer saber de uma coisa: cuide do seu mundinho e recolha a sua ridícula insignificância, pq. a vida é maior e melhor que essa gente que vive da derrota alheia.
Flor, seja feliz, mesmo que não haja motivo. Viva, mesmo que não queira. O melhor dia é hoje e o mundo que se dane!

bjs