quarta-feira, 29 de abril de 2009

Eu, palavra

" More than words to show you fell... "

Desliguei e larguei tudo pra escrever, porque nada bastava, servia, dava garantia, me fazia feliz. Nada era suportável. Sim, tem aí todo um problema grave de pouca paciência pra vida e menos ainda pra socializar e me relacionar. Grave. Até meio doente, vai saber. Mas, super bem contornado pelo fato de que me sustento escrevendo. Sou plena assim. Ainda que plena seja uma palavra brega digna daqueles amigos que dizem “vá ver o sol, Ludy” (tive que ouvir essa ontem).
Arrumei um jeito de pertencer ao mundo sem precisar sair de casa pra me irritar. Fico aqui e tudo certo.

Somos nada mais que estrofes com métrica, porque sabemos exatamente o que queremos, apenas não rimamos para que não exista cumplicidade.
Uma história começada como a necessidade de preencher espaços vazios. E terminada pela saciedade do preenchimento.

E você continua escrevendo sua história pulando linhas, errando palavras, esquecendo os títulos.
E eu continuo escrevendo seu nome com letras cheias, para tentar preencher você de alguma maneira. Pra tentar deixar tangível a sua existência. E principalmente pra poder amassar o papel e jogar no lixo.
E você continua indo embora, e eu continuo ficando, vendo você levar partes de mim que antes eu nem sentia falta.

Um comentário:

...."Rafaela"..... disse...

Final fantástico heinn.rsrs


" levando partes de mim que eu nem sentia falta"..rsrs

Mas é a vida né...Sempre levam um pedaço de nós e deixam um pedaço com a gente.. E de pedaço em pedaço a gente se torna diferente..

Adoreiiii

beijoss